segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

O CO2 na vida de Niemeyer, na minha vida, na sua...

Mudanças significativas do clima costumam envolver escalas relativamente longas, de milhares a milhões de anos. Mas o advento da sociedade industrial encurtou essa escala para algo muito mais breve. A duração da vida de um único ser humano, que nem precisa ser dos mais longevos, já corresponde a tempo mais do que suficiente para que tais mudanças sejam percebidas.

Falar de longevidade e não citar a morte de Oscar Niemeyer, nestes dias, parece impossível. Quando ele nasceu, em 1907, a concentração de CO2 atmosférico era de 298,5 partes por milhão em volume (isto é, a cada milhão de litros de ar, 298,5 são de dióxido de carbono). Quando foi concluído o conjunto arquitetônico da Pampulha, em 1944, essa concentração já havia se elevado ao valor de 310,1 ppm. Ao longo desses 37 anos, o incremento de 11,6 ppm nos dá uma taxa média de crescimento do CO2 atmosférico de 0,31 ppm/ano.


Igreja de São Francisco de Assis, parte do Conjunto Arquitetônico da Pampulha
Observatório de Mauna Loa, onde medidas de CO2
atmosférico se iniciaram em 1958
Brasília foi certamente o grande projeto da vida do célebre arquiteto. O primeiro prédio inaugurado no que viria a ser a nova capital brasileira foi o Palácio da Alvorada, em 1958. Nesse ano, em que se iniciaram as medidas de CO2 em Mauna Loa, a concentração desse gás já havia subido para 314,8 ppm. De 1944 a 1958, mais 4,7 ppm, numa média de 0,34 ppm/ano.

Palácio da Alvorada, inaugurado no
mesmo ano do início das medições
de CO2 em Mauna Loa
O golpe militar em nosso País, em 1964, levou Niemeyer e centenas de outros professores da UnB a se demitirem em 1965 e este permaneceu, a partir do ano seguinte, exilado na França. Em 1966, ano em que, no exílio, Niemeyer projetou a sede do Partido Comunista Francês, a concentração de dióxido de carbono já era de 320,7 ppm. Somente 8 anos após a inauguração do Palácio da Alvorada e o início das medidas de CO2 em Mauna Loa, lá se foram 5,9 ppm a mais na atmosfera a já acelerados 0,74 ppm/ano.

Prédio da UCTHB, na Argélia
Nos anos 70, Niemeyer desenvolveu uma série de projetos na Argélia, como a Universidade Mentouri de Constantine e a Universidade de Ciência e Tecnologia Houari-Boumediene (UCTHB), em 1974. A essa altura do campeonato, a atmosfera já abrigava 329,7 ppm de CO2. O aumento observado de 9 ppm em relação a 1966 já indicava que esse gás se acumulava na atmosfera a taxas cada vez mais aceleradas (nesse período de 8 anos, a uma média de 1,13 ppm anuais).

Memorial JK
Memorial da América Latina
Nos anos 80, a abertura permitiu que Niemeyer pudesse voltar a expressar sua genialidade arquitetônica em Terra Brasilis. São dessa década o Memorial JK, o Sambódromo, o Memorial dos Povos Indígenas, o Memorial da América Latina e muitas outra obras. O belo Memorial JK, que abriga o corpo do presidente Juscelino, data de 1981. O Memorial da América Latina, outro monumento admirável, foi inaugurado em 1989. Nesses dois anos, o CO2 atmosférico atingiu, respectivamente, 339,7 ppm e 352,5 ppm. O Memorial da América Latina estava sendo erguido quando, em 1988, a concentração anual média desse gás ultrapassou os 350 ppm aceitos cientificamente como o valor que proporcionaria uma estabilização climática em condições similares àquela em que a civilização humana floresceu. Entre as inaugurações do prédio da UCTHB e do Memorial JK, essa concentração cresceu a 1,4 ppm anuais, em média. De Memorial a Memorial, a 1,6 ppm/ano. Acelerando, sempre... Como já havia estudos científicos que evidenciavam riscos por trás da intensificação do efeito estufa promovido por esses e outros gases de vida longa produzidos por atividades humana, em 1988 era criado o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas, o IPCC, com a missão de investigar as mudanças climáticas e suas possíveis consequências. 

Museu de Arte Contemporânea em Niterói
Na década seguinte ocorreram a Conferência do Rio, em 1992 e a COP1 (a primeira Conferência multilateral para tratar da questão climática), em Berlim. Foram publicados o primeiro e o segundo relatórios do IPCC, em 1990 e 1995, respectivamente. Dentre as obras de Niemeyer dessa década (o que inclui o Sambódromo paulista), me agrada particularmente o Museu de Arte Contemporâneo de Niterói, que é, na verdade, para lá de contemporâneo... futurista, mesmo... Esse prédio foi inaugurado em 1996, ano em que a concentração de CO2 chegou a 361,5 ppm, "apenas" 9 ppm acima do observado 7 anos antes. A suposta desaceleração da acumulação desse gás na atmosfera nesse breve período (crescimento de 1,3 ppm/ano) mostrou-se, porém, ilusória, como ilusórios se mostraram os efeitos do Protocolo de Kyoto, firmado na COP3, em 1997.

Museu Oscar Niemeyer, em Curitiba
O novo século trouxe um sem número de novas obras de Niemeyer, incluindo o belo museu que leva seu nome, em Curitiba, de 2001, ano também da publicação do TAR (o terceiro relatório do IPCC). Nesse ano, em que o IPCC anunciava mais claramente do que em seus relatórios anteriores que o planeta estava aquecendo e que havia uma ampla gama de evidências que isso se dava em função da ação antrópica, via emissão de gases de efeito estufa, o CO2 atmosférico atingiu 370,5 ppm. O novo incremento de 9 ppm dessa vez se deu em apenas 5 anos (média de 1,8 ppm anuais). Ao longo da década passada, sucederam-se inaugurações da sede da Procuradoria Geral da República, em Brasília, o Centro Cultural Oscar Niemeyer, em Goiânia, a Estação Cabo Branco, em João Pessoa. Em 2007, foi publicado o AR4 (o quarto relatório do IPCC), em que se exprimiu claramente que o aquecimento do sistema climático terrestre era "inequívoco" e que se podia atribuir como causa as emissões humanas de gases de efeito estufa com a qualificação, no mínimo, de "muito provável". Foi o ano da COP13, em Bali. Nesse ano, 383,8 ppm de CO2 já estavam na atmosfera terrestre. O incremento de 13,3 ppm em relação há 6 anos antes (2,2 ppm por ano) não deixa dúvidas de que a locomotiva emissora segue cada vez mais rápida e que nem as sucessivas crises econômicas limitam sua velocidade, já que em 2011 se chegou a 391,6 ppm. Mantendo o ritmo de um crescimento de 2 ppm ao ano, em 2040 deve ser ultrapassado o limite de 450 ppm de CO2. Nesse ponto, um aquecimento acima de 2°C no sistema climático se torna bastante provável e os riscos de desestabilização de ecossistemas e disparo de mecanismos de retroalimentação pode trazer mudanças profundas, irreversíveis e bastante prejudiciais ao gênero humano, particularmente aos mais pobres e aos mais vulneráveis. A década anterior se encerrou, com as sucessivas COPs de Poznan (COP14), Copenhague (COP15) e Cancún (COP16). A nova década se iniciou com a COP17, em Durban, a Rio+20 e a COP18, em Doha, no Qatar. Nesses eventos, os "passinhos de bebê" das negociações, como afirmei noutro texto, são um contraste gritante com os passos largos das mudanças no clima.

Curva de Keeling
A Niemeyer é atribuída a frase "Não é o ângulo reto que me atrai, nem a linha reta, dura, inflexível, criada pelo homem. O que me atrai é a curva livre e sensual, a curva que encontro nas montanhas do meu país, no curso sinuoso dos seus rios, nas ondas do mar, no corpo da mulher preferida. De curvas é feito todo o universo, o universo curvo de Einstein". Ironicamente, quase 105 anos de vida tornaram Oscar Niemeyer um "ponto fora da curva" por sua longevidade. Mas uma ironia melancólica se revela através de uma certa "curva", que não é "livre", muito menos "sensual". É expressão do poder destruidor do "desenvolvimento" capitalista alavancado pela queima de combustíveis fósseis, da dominância global da indústria petroquímica, do caráter pusilânime, subalterno e vendido dos governos mundiais que tagarelam nas COPs para não chegarem a um acordo mínimo para redução das emissões. Trata-se da "Curva de Keeling", obtida quando se coloca a série de valores de concentração de CO2 ao longo do tempo, desde o início das medições em Mauna Loa até os dias de hoje. Nela, o ciclo anual (associado ao aumento e diminuição alternados da massa de materia orgânica na vegetação do Hemisfério Norte) não esconde a tendência sempre crescente dos valores médios anuais, para lá de evidente não só ao longo de uma vida prolongada como a de Oscar Niemeyer, mas em períodos bem mais curtos. 

Série de anomalia de temperatura global média de 1850 a 2011
(Fonte: UK Met Office)
A idade em que ele faleceu é bem acima da expectativa média da espécie humana, mesmo nos dias de hoje. Mas como se percebe, as mudanças climáticas se aceleram a olhos vistos e, portanto, não precisa ser um Niemeyer para se perceber essas mudanças em seu tempo de vida. A expectativa de vida média do brasileiro é de 73,5 anos e, tendo eu passado da metade do caminho, em meus quase 43, já posso falar claramente sobre isso. Desde quando nasci, as concentrações de CO2 se elevaram quase 70 ppm e a temperatura global se elevou em mais de 0,5 graus. Minha filha, de 15 anos e meu filho, de 10, já viram essa concentração crescer em, respectivamente, quase 30 ppm e 20 ppm. Minha família já presenciou sucessivas quebras de recorde de temperatura global, assistimos aos estragos de Katrina e Sandy, secas, ondas de calor e incêndios florestais ineditos, vimos o degelo recorde no Ártico este ano.

Por cautela, covardia ou até mesmo como uma versão "light" da negação da gravidade da questão, muitos cientistas e ambientalistas costumavam centrar seus argumentos a favor da estabilização climática e redução das emissões de gases de efeito estufa no comprometimento da qualidade de vida das futuras gerações. Evidentemente, o adiamento sucessivo de medidas de proteção ao clima representa uma encomenda de problemas mais e mais sérios para o futuro mais distante e que continua a ser uma questão ética e moral não transformar este planeta num local inóspito, deixando às gerações futuras dificuldades crescentes para elas equacionarem em termos de adaptação e soluções definitivas. Mas também é evidente que as mudanças climáticas não podem mais ser tratadas somente nessa escala temporal. Não se pode falar em muitas décadas ou séculos, quando em questão de poucas décadas ou mesmo anos os impactos da mudança no clima se tornam mais e mais visíveis. Trata-se de defender nossos filhos e netos, mas também de defender a dignidade em nossa velhice.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Trump bombardeia o Clima

Trump como meteoro. Fonte: Der Spiegel Embora extremamente insuficiente e limitado nos mecanismos de proteção do sistema climático, ...

Mais populares este mês