quarta-feira, 31 de janeiro de 2018

Cadê o aquecimento global? Parte I - Frio nos EUA

Para sermos mais precisos, se a esmagadora maioria de especia-
listas em clima nas universidades e institutos de pesquisa ou
meia dúzia de pessoas mal informadas ou com extrema má fé...
"E esse frio todo?" é uma pergunta usada de maneira recorrente, explícita ou implicitamente para questionar as mudanças climáticas, seja ela referente a dias muito frios em sequência no Sul e Sudeste do Brasil seja na costa leste dos EUA. Incautos e militantes do negacionismo adoram fazer distorções em tornos desses eventos (e outros como neve no Saara e até granizo no sertão), não sem uma confusão completa entre tempo e clima, para provocar confusão na opinião pública. É algo inclusive praticado por jornalistas sem compromisso com a informação como Alexandre Garcia (que recebeu resposta minha à altura no twitter) e por políticos não apenas de direita (como o filho de Bolsonaro) mas também de esquerda como Aldo Rebelo. Este é o primeiro de uma série de artigos sobre esse tópico com o objetivo precisamente de separar o joio do trigo e contribuir não apenas para desfazer a confusão entre tempo e clima relacionada a esses eventos, mas também para trazer informações sobre a formação de eventos extremos dessa natureza.

quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

Brasil na contramão: enquanto a temperatura sobe, a broca de perfuração desce.

(Adaptação de artigo publicado na NACLA/Report of the Americas)
Link para o original: http://www.tandfonline.com/doi/full/10.1080/10714839.2017.1409018

Artigo publicado na revista NACLA
(Report of the Americas)
A ciência é nítida: o clima está aquecendo como resultado da acumulação de gases de efeito estufa na atmosfera, em particular o dióxido de carbono, mas também o metano, o óxido nitroso e os halocarbonetos. A fonte desse desequilíbrio químico é, em geral, antrópica, especialmente devido ao consumo e uso de combustíveis fósseis, como o carvão, o petróleo e o gás natural. O grande volume de evidências sobre o aquecimento global vem de um conjunto abrangente de observações, incluindo não apenas medidas da temperatura da superfície, mas também medições do ar superior e estimativas do satélite. Estas evidências são altamente consistente com as observações de outros fatores do sistema climático, incluindo o aumento do nível do mar, a perda de gelo marinho e o recuo das geleiras, a acumulação de calor e a acidificação nos oceanos mundiais e mudanças em uma grande quantidade de ciclos biogeoquímicos complexos. Os recordes consecutivos de temperaturas da superfície média global em 2014, 2015 e 2016 não são, portanto, coincidências. E 2017, mesmo sem El Niño, encerrou essencialmente empatado com 2015, apenas um décimo de grau abaixo de 2016.

quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

Guardian: Nova York desinveste dos combustíveis fósseis e processa petroleiras!

Nova York planeja desinvestir US $ 5 bilhões dos combustíveis fósseis e processar empresas petrolíferas

Prefeito Bill de Blasio: "Cabe às empresas de combustíveis fósseis, cuja ganância nos colocou nesta posição, arcar com o custo de tornar Nova York mais segura e mais resiliente"

O Capital quer lucrar duas vezes ao declarar guerra ao clima. E nós?

Aleppo, Síria. Na lógica do capital, existe "oportunidade" de lucrar duas vezes com a guerra. A cada prédio destruído, a cada...

Mais populares este mês