Bomba-relógio: o tique-taque acelerado das mudanças climáticas


Recentemente, alguns textos têm circulado, nas mídias alternativas, acerca da justeza das projeções apresentadas pelo IPCC desde os anos 90 para o que era, então, o futuro próximo, e viria a ser, hoje, o nosso presente. Alguns, como este, destacam que as projeções de aquecimento global se confirmaram. Outros, como o texto de James Hansen, em sua versão traduzida, destacam aquilo que mais me preocupa, que é o ritmo alarmante de certas mudanças, que têm sido detectadas no sistema climático na escala de anos.

Distribuição do calor excedente no sistema climático terrestre,
com base nos dados do IPCC. Figura adaptada a partir de
http://www.skepticalscience.com/graphics.php?g=12.
Os sinais mais alarmantes, ao meu ver, estão relacionados a outras variáveis do sistema climático que não a média da temperatura global na superfície. Na realidade, como o planeta e principalmente seus oceanos são tridimensionais, o calor acumulado pelo efeito estufa mais intenso não se distribui homogeneamente e, por vezes, pela própria dinâmica do sistema climático, pode dar preferência ora para uma parte desse sistema, ora para outro. Por exemplo, é possível que parte do calor retido na Terra durante alguns anos se acumule na porção superior do oceano, sendo transmitido depois para a atmosfera. Noutros momentos, é possível que a circulação oceânica mais profunda redistribua esse calor, transportando-o através de suas correntes para regiões remotas do planeta, vindo, em algum momento, a se manifestar de forma mais clara no derretimento do gelo das calotas polares. O quarto relatório do IPCC, por sinal, identifica de forma muito evidente que os oceanos são o principal coletor desse excedente de calor. Os resultados originalmente mostrados nesse relatório são mostrados, de forma mais simples, na figura acima.

Extensão de gelo marinho no Ártico conforme as observações
(em vermelho) e segundo as projeções do IPCC (em azul)
Daí, mais do que o crescimento das temperaturas da superfície (que, mesmo com o sobe-e-desce devido à variabilidade natural, é inequívoco como mostrei neste texto), preocupa-me o ritmo da elevação do nível dos oceanos e do degelo do Ártico, que ultrapassam aquele prognosticado pela mais "pessimista" das projeções. O derretimento do gelo marinho do Ártico é extremamente acelerado, como se constata na figura ao lado, possivelmente expondo uma realidade que combina um transporte significativo de calor para aquela região, bem como uma possível manifestação do mecanismo de feedback que descrevi em texto anterior.

Elevação do nível do mar medida por estações e via altimetria
por satélite, em comparação com as projeções do IPCC
(Fonte: Rahmstorf et al. 2007)
No caso da elevação do nível do mar, esta também aparece evidentemente subestimada nas projeções de modelos feitas anteriormente. Sabe-se que o oceano se eleva por uma combinação de dois fatores: a sua dilatação térmica (como qualquer objeto comum, ele se expande, ao ser aquecido) e o aporte de água proveniente do derretimento de gelo continental (como o da Groenlândia e Antártica). A combinação desses fatores tem levado a um ritmo de elevação dos mares muito acima das projeções dos modelos do IPCC (na figura ao lado, os resultados dos modelos seguem a faixa cinza, evidentemente abaixo das observações tanto diretas, por estações, quanto via altimetria por satélite).

Porém, outros processos também têm se somado ao conjunto de impactos esperados não para já, mas para anos ou décadas adiante. Alguns deles são destacados no filme "6 graus", que já tive oportunidade de divulgar neste blog e que recomendei já em post anterior. Assistindo novamente esse filme, produzido há cerca de 5 anos, ele me pareceu tristemente profético em diversos pontos, sobre os quais discorro a seguir.

Começo pelos incêndios florestais, facilitados não somente pelas altas temperaturas e pelo tempo extremamente seco característico de locais como a Austrália e o interior dos EUA (condições que, evidentemente, tendem a se agravar à medida em que o clima aquece), mas também por um fator inesperado: migração de besouros de áreas mais quentes ou sobrevivência destes besouros por mais de um ano (geralmente eles morrem durante o inverno rigoroso, por exemplo, do meio-oeste americano) ou nascimento prematuro das suas larvas, em função da antecipação das estações quentes. Várias árvores que arderam em chamas no estado do Colorado já estavam mortas antes do incêndio, em função  do ataque da praga. Os incêndios florestais amplificados pela mortandade prévia de árvores e ameaçando residências na Austrália se repetiram nos EUA.

Aliás, por falar em morte de árvores, a Amazônia fornece um exemplo do risco de possíveis efeitos não-lineares de retroalimentação. Apesar de a morte da floresta em um cenário de aquecimento mais severo, da ordem de vários graus, ainda permanecer objeto de debate, é fato que a ocorrência de duas secas severas na região, em anos próximos (2005 e 2010) trouxe uma mortandade muito significativa de árvores. Taxas de evaporação e evapotranspiração mais elevadas em função do aquecimento global, juntamente com a extensão dos períodos de dias consecutivos secos podem colocar até mesmo as árvores com raízes mais extensas (capazes de buscar umidade nas porções mais profundas do solo) em situação de risco. Aquelas que sobreviverem a uma seca, podem ficar fragilizadas a ponto de não resistirem à seca seguinte, especialmente se estas se tornarem recorrentes. A Amazônia passaria, então, de um enorme estoque de carbono (com potencial até de sequestrar ainda alguma parte do carbono na atmosfera) a uma nova fonte de emissão, acelerando o aquecimento global num ciclo vicioso (como no caso dos já discutidos feedbacks do vapor d'água e do gelo-albedo). A seca de 2005, mostrada no documentário "6 graus", repetiu-se em 2010 e os riscos associados à possibilidade de secas recorrentes são reais.

O risco representado pela acidificação dos oceanos no que diz respeito à morte de corais, foraminíferos, cocolitóferos e pequenos moluscos, que formam a base da cadeia alimentar oceânica, projetada para uma situação de aquecimento de dois graus, vem se confirmando desde já. Esse é um aspecto muito grave e constantemente negligenciado, que corre em paralelo ao aquecimento global, sendo que, num cenário de emissões intensas, como as praticadas hoje, a tendência é a inviabilização de grande parte da teia de vida nos oceanos.

Cena do filme "6 graus", mostrando o metrô de Nova
Iorque submerso
Mas nada é mais surpreendente do que, no documentário "6 graus" ver a incrível cenarização do que poderia acontecer se uma supertempestade atingisse a costa leste americana, principalmente Nova Iorque. A catástrofe, mostrando inundação, metrô submerso e paralização da cidade, fazia parte da descrição do "mundo 4 graus mais quente", algo projetado para décadas adiante. Sandy fez questão de chegar muito antes, dando uma demonstração do que pode vir a ser a "normalidade" num futuro não muito distante. A semelhança entre a cena do filme (então, um suposto cenário) e a realidade depois desnudada por Sandy é assustadora.

Fotografia de uma das estações do metrô de Nova Iorque,
após a passagem da supertempestade Sandy
Quando vejo não somente notícias como as que anunciam os eventos meteorológicos e climáticos extremos, mas novas descobertas  anunciadas na Science e na Nature e em revistas da área que confirmam a aceleração das mudanças climáticas e seus impactos, é como se ouvisse o tique-taque de uma bomba-relógio. Ainda é possível desarmá-la, mas a cada reunião de cúpula em que a ciência não é ouvida, a cada decisão dos governos nacionais de não mexerem na matriz fóssil (ou até incentivá-las, como é o caso da demagógica medida relacionada aos royalties do pré-sal, que deveria, ao invés de ser explorado, permanecer exatamente onde está, ou do incentivo, com direito a abatimento no preço da água, à instalação de uma usina termelétrica a carvão no estado do Ceará), a cada apego que os incautos demonstram ter pelas teses negacionistas (inteiramente afastadas da Ciência), esse tique-taque parece soar mais forte. A humanidade age, coletivamente, como uma criança irresponsável, brincando com aquilo que, como bem colocou Richard Alley, não é um vídeo-game. Ou como um dependente químico (a química do carbono!) que, na voracidade do prazer das comodidades ofertadas pelo uso da energia fóssil abundante não consegue enxergar a evidente deterioração das bases mais fundamentais para a dignidade e a própria vida. Nesse caso, não há dúvida entre cortar um fio vermelho ou azul. O "fio" que mantém a bomba climática ativada é a queima de combustíveis fósseis e demais emissões associadas a atividades humanas e é preciso ter a coragem para cortá-lo.

Comentários

  1. Olá, ALEXANDRE. Parabéns pelo blog! Postei o seu texto na página do Facebook intitulada PSICANÁLISE-AMBIENTAL, da qual sou o editor. Se possível, gostaria de tê-lo como "Seguidor" do blog PSICANÁLISE-AMBIENTAL: www.psicanaliseambiental.blogspot.com

    Abraços: JOSÉ MARCUS DE CASTRO MATTOS. Poeta. Psicanalista-lacaniano. Copacabana, Rio de Janeiro, Brasil.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O colapso (in)evitável e o Antropoceno

A Falácia da "Mini-Era do Gelo"

Chega de desmaios por Justin Trudeau. O cara é um desastre para o planeta. (Artigo de Bill McKibben no Guardian)