segunda-feira, 31 de março de 2014

Impactos das Mudanças Climáticas: entra em cena o WG-II do IPCC

Para os que ainda não são familiares com a estrutura e funcionamento do Painel Intergovernamental sobe Mudanças Climáticas, o IPCC, lembro que ele inclui três grupos, que lidam respectivamente com as "Bases Físicas da Mudança Climática" (o WG-I, ou 1º grupo), "Impactos, Vulnerabilidade e Adaptação" (o WG-II, ou 2º grupo) e com Mitigação, ou seja, soluções para reduzir as emissões e diminuir o peso dos impactos sobre a sociedade (o WG-III, ou 3º grupo). Esta noite passada (em horário brasileiro), foi divulgado, no Japão, o texto final do "sumário para formuladores de políticas" do WG-II (ou "2º grupo de trabalho") do Painel.



Piora nas condições de vida de populações
muito pobres e vulneráveis, como as do
Leste da África estão entre os impactos
esperados em cenários de altas e até de
médias emissões 
Devo dizer que a linguagem usada tende a ser bastante moderada, conservadora e cautelosa e pretensamente distanciada dos problemas com que o relatório lida. Algumas das principais conclusões do sumário são:
  • "Em muitas regiões, mudanças na precipitação ou no derretimento de neve estão alterando sistemas hidrológicos, afetando recursos hídricos em termos de quantidade e qualidade";
  • "Muitas espécies terrestres, de água doce e marinhas têm deslocado seus intervalos geográficos, atividades sazonais, padrões de migração, abundância e interações em resposta à mudança climática em curso";
  • "Baseado em muitos estudos cobrindo um amplo espectro de regiões e plantios, impactos negativos da mudança climática na produção agrícola têm sido mais comuns do que impactos positivos";
  • "Diferenças na vulnerabilidade e na exposição vêm de fatores não-climáticos e de desigualdades multidimensionais, frequentemente produzidas por processos desiguais de desenvolvimento. Tais diferenças se refletem em riscos diferenciados em relação à mudança climática";
  • "Impactos de recentes eventos extremos relacionados ao clima, como ondas de calor, secas, enchentes, ciclones e incêndios florestais revelam vulnerabilidade e exposição significativas de alguns ecossistemas e de muitos sistemas humanos à variabilidade climática";
  • "Perigos associados ao clima exacerbam outros fatores de estresse, com resultados frequentemente negativos para os meios de subsistência, especialmente para pessoas vivendo em condições de pobreza";
  • "Riscos relacionados à disponibilidade de água doce devidos à mudança climática aumentam significativamente com o aumento das concentrações de gases de efeito estufa";
  • "Projeta-se que a mudança climática ao longo do século XXI reduza significativamente a água renovável superficial e os recursos subterrâneos na maior parte das regiões secas subtropicais, intensificando a competição pela água entre diferentes setores";
  • "Uma grande parte das espécies terrestres e de água doce estão diante de risco de extinção aumentado sob as mudanças climáticas durante e além do século XXI, especialmente na medida que a mudança climática interage com outros fatores de estresse, como modificação do habitat, sobre-exploração, poluição e espécies invasoras";
  • "No decorrer deste século, a magnitude e a velocidade da mudança climática associadas a cenários de médias a altas emissões (RCP4.5, 6.0, e 8.5) colocam o risco de mudanças em escala regional abruptas e irreversíveis na composição, estrutura e funcionamento de ecossistemas terrestres e de água doce, incluindo áreas inundada";
  • "Devido ao aumento do nível do mar projetado para o século XXI e além, sistemas costeiros e áreas de baixa altitude sofrerão crescentemente impactos adversos como submergência, inundação costeira e erosão costeira";
  • "Devido à mudança climática projetada para meados do século XXI e além, a redistribuição de espécies marinhas e a redução da biodiversidade marinha em regiões sensíveis desafiará a provisão sustentada de produtividade pesqueira e outros serviços ambientais";
  • "Para cenários de média a altas emissões (RCP4.5, 6.0, e 8.5), a acidificação oceânica traz riscos substanciais aos ecossistemas marinhos, especialmente ecossistemas polares e recifes de corais, associados com impactos na fisiologia, comportamento e dinâmica populacional de espécies individuais, do fitoplâncton a animais";
  • "No que diz respeito às principais culturas (trigo, arroz e milho) em regiões tropicais e temperadas, projeta-se que a mudança climática, sem adaptação, impactará negativamente a produção para aumentos de temperatura de 2°C ou mais além dos valores do século XX, apesar de algumas localidades individuais poderem se beneficiar";
  • "Todos os aspectos da segurança alimentar são potencialmente afetados pela mudança climática, incluindo acesso e utlização dos alimentos e estabilidade nos preços";
  • "Projeta-se que a mudança climática ao longo do século XXI deva aumentar a imigração";
  • "A mudança climática pode aumentar indiretamente o risco de conflitos violentos na forma de guerra civil e violência entre grupos ao amplificar motivações bem documentadas desses conflitos como pobreza e choques econômicos";
  • "Ao longo do século XXI, projeta-se que os impactos das mudanças climáticas devam desacelerar o crescimento econômico, tornar a redução da pobreza mais difícil, erodir ainda mais a segurança alimentar e prolongar armadilhas de pobreza existentes e criar novas, particularmente em áreas urbanas e regiões tradicionais de ocorrência de fome";
  • "Os riscos gerais dos impactos da mudança climática podem ser reduzidos, limitando-se a velocidade e a magnitude dessa mudança";
  • "Velocidades e magnitudes maiores na mudança climática aumentam as chances de se exceder os limites para adaptação";
  • "Transformações nas ações e decisões econômicas, sociais, tecnológicas e políticas podem permitir caminhos resilientes com relação ao clima".
O aumento na frequência e intensidade de eventos extremos
deve levar a problemas de segurança hídrica e alimentar e a
aumento da imigração, ao produzir desalojados e refugiados
climáticos.
Apesar da linguagem contida (no mínimo questionável, ao meu ver), é evidente que os riscos são muito grandes para o gênero humano, exceto para o cenário de forte mitigação (no caso, o RCP2.6) e, sobretudo, que são extremamente desiguais. Urgem a priorização da bandeira da justiça climática pelos movimentos sociais e a demanda por transformações - necessariamente rápidas - que vão na contramão do crescimento desenfreado, baseado na ampliação desmedida da produção e consumo e apoiado na queima de combustíveis fósseis e expansão do agronegócio. 

Um comentário:

  1. Viver o imediato e prosseguir na luta pela transformação radical do 'modo de produção'. Esse é o desafio. E então não há como correr desenfreadamente, mas há que começarmos a trilhar novas bases de organização. Claro que o relatório do IPCC usa linguagem "apropriada" ao que defende: o sistema econômico e seus interesses.Para esse o problema está na "vulnerabilidade que ameaça o próprio sistema": perdas para quem já é possuidor de "dinheiro". É sínica a fala sobre "segurança alimentar", mas esperar o que de quem quer manter o "status quo"? E afirmar perspectivas de adaptação? Nos tratam como seres biológicos, apenas, nos negam a condição social. O sistema nos permite "caminhos resilientes"???? PQP! é isso! De volta ao que se perdeu: Trabalhadores do mundo: uni-vos! E então o caminho é mesmo ir na contraordem (concordo: na contramão do crescimento desenfreado está numa forma diferente de estabelecer as relações entre as pessoas que hoje se estabelece na produção desenfreada de dinheiro, a servir a poucos. Abaixo sim, a queima de combustíveis fósseis. E o agronegócio, detentor de "tudo" que se come, que nega a história para a vida e produz morte por dentro de nós mesmos tem que ser "destituído" de seu trono! Os "supermercados" cheiram à veneno! O que fazer? Descubramos juntos.

    ResponderExcluir

Negacionismo: O Falso Galileo - Parte II: "Democracia" e Chantagem

Galileo Galilei (1564-1642) sofreu a fúria da Inquisição por sustentar um ponto de vista baseado em evidências contra os que queriam ...

Mais populares este mês